Eterno enquanto dura e infinito até onde a vista alcança

Advertência: este texto pode aborrecer quem não gosta de assuntos esdrúxulos como quarta dimensão, infinito e eternidade. Ao clicar para ler você exime o Blog do Caco de qualquer responsabilidade sobre o efeito em seu humor que o texto possa provocar.

O coração falou mais alto do que o cérebro

Como assim? Nenhum dos dois fala!? Só a boca fala! Ou nem ela, quando o cérebro a manda se calar. Cala-te boca!, diz ele. Com que boca ele diz isso, se cérebro não tem boca? E a boca, por sua vez, obedece? Como obedecer, se ela não tem cérebro? Nessa hora, de ânimos exaltados, é melhor usar a razão. Mas quem está com a razão, o cérebro, o coração ou a boca? O cérebro, claro, mas ele não poderia ter se exaltado, pois isso é coisa do coração. E a boca não deveria ter dado palpite, muito embora só ela tivesse voz para fazê-lo. E aí, como é que fica? Continuar lendo