10 razões porque a vida pode ser uma simulação em computador

O artigo que pode ser lido aqui lista 10 razões para nos convencer que podemos ser meros personagens de um programa de computador, como os personagens da trilogia Matrix. Para os que não queiram ler o texto completo (em inglês) faço abaixo um resumo de tais razões.

  1. Simuladores do passado

Platão já especulava que o mundo que nós percebemos pode não ser o mundo real. Com o advento dos computadores surgiu a possibilidade de simular situações que imitam a realidade, algumas delas com o propósito de investigar a proliferação de doenças e outras para criar jogos e entretenimento, ainda em um nível de pouca complexidade. A tecnologia dos computadores tem crescido num ritmo tão intenso que, hoje, uma simulação como a dos filmes Matrix já não parece tão absurda.

  1. Se alguém puder fazer, fará

Apesar dos aspectos morais que a simulação de seres virtuais pode levantar, a verdade é que se a tecnologia estiver disponível alguém fará o trabalho necessário de simular um mundo completo. Ademais, isto poderá ser uma ferramenta útil de diagnóstico de uma sociedade que pode estar no rumo de uma situação de catástrofe, ajudando-a a retomar o caminho certo.

  1. Falhas visíveis

As esquisitices que se podem constatar em nossas vidas, como cenas de déjà vu, milagres e fantasmas, podem ser indicação de falhas no programa de simulação que, por mais bem elaborados que sejam, estão sujeitos a erros imprevisíveis. (Eu, Caco, acrescento aqui a estranheza do sono com sonhos. Seria o sonho algum tipo de reset da nossa memória? A própria necessidade de dormir já é estranha.)

  1. A matemática cria vida

Tudo no universo é quantificável de algum modo e pode ser traduzido em um código binário, inclusive a vida. Cientistas especulam que alguém já deve ter feito isso e criado não só uma vida, mas um mundo inteiro usando a matemática.

  1. O princípio antrópico

Intriga os cientistas o fato de a natureza ter provido as condições perfeitas para viabilizar a nossa existência (princípio antrópico). As constantes físicas que caracterizam as leis da natureza têm o valor exato para que a vida seja sustentável neste planeta. Se alguma das propriedades do universo fosse ligeiramente diferente do que é, não estaríamos aqui. Ora, um programador de computador, não necessariamente humano, faria exatamente isso para criar os seus personagens nesse mundo simulado.

  1. Universos paralelos

A teoria dos universos paralelos, ou multiversos, postula a existência de uma infinidade de realidades ou mundos. Como surgiram esses universos? Uma explicação é que eles podem ser, meramente, várias simulações correndo em paralelo, cada uma com as suas regras próprias de funcionamento.

  1. O paradoxo de Fermi

O cientista Fermi perguntou “Onde está todo mundo?” ao se referir às muitas possibilidades de haver mundos capazes de abrigar vida inteligente, o que se convencionou chamar de paradoxo de Fermi. Pois bem, eles não estão aqui porque não foram incluídos no programa de simulação no qual vivemos.

  1. Deus é um programador

Muitos acreditam em um deus que tenha criado o mundo; um ser de barba branca, pairando sobre as nuvens. Todavia, ele pode ser um homem comum, de óculos, debruçado sobre um teclado, criando o programa que simula o nosso mundo. Talvez esse programador, por vaidade, tenha criado o código que desperta em nós a crença de que ele existe, ou essa crença tenha surgido como decorrência do andamento da simulação. Um ponto importante é que a hipótese da simulação acomoda tanto a ideia dos darwinistas quanto a dos criacionistas.

  1. Além do universo

O que existe além do universo? Essa é uma pergunta difícil de responder. Se o nosso mundo é simulado, o que está fora dele é o mundo do programador que criou o programa. Mas esse mundo também pode ter sido simulado e aí o raciocínio se aplica indefinidamente, deixando a primeira pergunta sem resposta. Se soubermos a resposta para o que está fora de nosso mundo limitado … bem, este já seria um primeiro passo para determinar a natureza da existência.

  1. Pessoas de mentira tornam as simulações mais simples

O obstáculo maior das simulações é a grande capacidade de processamento necessária para rodar a simulação com todos os personagens que vivem em nosso planeta. No entanto, não é necessário que o modelo incorpore todos os personagens. Só é necessário simular um pequeno universo com os personagens principais; os demais podem ser figurantes. Assim também pode ser feito com os lugares. Um tal modelo fica muito mais fácil de simular.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s