Eu quero a minha mãe!

A natureza humana é mesmo complexa e cheia de contradições! A consequência disso é que a sociedade acaba sendo dividida em vencedores e perdedores. É verdade que existem muitas outras maneiras de dividi-la, mas quero comentar sobre esta em particular que, a meu ver, espelha bem as diferenças maiores entre os seres humanos.

Parece ser mais fácil falar sobre o vencedor do que sobre o perdedor. Aos vencedores são dedicados os hinos, os filmes, os livros, a admiração. Aos perdedores, só as críticas momentâneas e o esquecimento. Acho que eles merecem um pouco mais do que isso.

O vencedor, dizem, é o que luta até o fim. Mas o perdedor também age assim, só que o seu fim acontece logo na primeira batalha e ele não mais tem forças para participar de outras. O vencedor, quando perde uma batalha, levanta-se e parte para outra, mas o perdedor não tem ânimo para continuar e entrega-se totalmente à derrota. Alguns ainda fazem um grande sacrifício e aplaudem timidamente o vencedor e dedicam a ele algumas palavras de elogio. Outros, nem isso conseguem fazer e simplesmente soltam um palavrão quando não dão uma cusparada na cara do vencedor, ou as duas coisas.

Um só dá motivos para ser elogiado, o outro, para ser criticado. E, no entanto, ambos têm o seu papel na sociedade. O do vencedor – talentoso e forte de físico e de espírito – é o de melhorar a sociedade; e o do perdedor, – sem qualquer talento e fraco de físico e de espírito – é o de valorizar as qualidades do vencedor, pois sem perdedores não haveria vencedores. Mas que merda de papel é esse? Quem quer um papel desses?

Culpa dos próprios perdedores, dizem, que não sabem reagir à condição em que se encontram e merecem esse papel. Mas reagir como? Se eles não encontram meios para fazer isso? E tudo que tentam – timidamente e sem convicção – sai errado?

Não há saída, então, para os perdedores senão aceitar a própria sorte? Sim há uma saída, mas ela é dolorosa (claro, não poderia ser de outra maneira!). Essa saída exige que ele desça ao fundo do poço por meio de uma última e suprema humilhação. Ele deve encher os pulmões e gritar: Eu quero a minha mãe!!!

Não é preciso ser um bom observador para notar que esse pedido de socorro já vem sendo feito pelos maiores perdedores, que são os excluídos da nossa sociedade. Porém, ele não é atendido – e em muitos casos, sequer ouvido – pela grande maioria dos vencedores. Então, que vencedores são esses? Que tipo de vitória eles reivindicam?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s