O ciclo da vida

         “Não leve a vida tão a sério!” foi a recomendação que segui ao escrever as três recentes histórias sobre esse fenômeno chamado vida. Nelas não há qualquer preocupação com o limite entre o possível e o impossível e, por esta razão, os textos só poderiam ter sido classificados como ficção científica. Em “Catálogo messier” a história trata do fim e do começo da vida; em “Construindo um campeão”, ela trata da sua evolução; e, em “Betelgeuse”, a trama mostra como a vida pode se espalhar pelo universo.

         Os textos foram postados numa sequência diferente da relatada acima mas, a rigor, eles não admitem nenhuma sequência lógica porque um deles sobrepõe o fim e o início da vida e os outros dois tratam de episódios que podem acontecer simultaneamente. As histórias poderiam ser entendidas como parte de um ciclo, o ciclo da vida. O curioso é que quando escrevi cada um deles eu não me dei conta de que estava falando somente sobre o tema da vida e muito menos sob essa perspectiva de encaixá-los num ciclo. Foi tudo obra do acaso.

         A vida presta-se mais a ser vivida do que ser contada, rotulada ou estudada. Mas, felizmente, a ciência não acredita nisso e, por esta razão, hoje entendemos muito mais sobre a vida do que imaginávamos entender antes de Darwin. Mesmo assim, ainda existem mistérios. Não temos nenhuma pista sobre como ela começou e não sabemos se somos (incluindo nossos parceiros de outras espécies) os únicos seres vivos no universo. Este último aspecto tem até um ramo da ciência a ele dedicado: a exobiologia.

         O lado positivo dessa ignorância é que ela permite muita especulação e gera temas para novas histórias de ficção. Fico imaginando que outros temas poderiam ser acrescentados no ciclo da vida. Um eterno candidato é o do encontro com vidas alienígenas. O outro, mais metafísico, é o da vida após a morte. Por que não, também, o da vida antes do nascimento? Neste assunto, o céu é o limite.

Anúncios

2 comentários sobre “O ciclo da vida

  1. Caco, como sou curioso sobre a vida humana e suas condições, em recente texto que introduz um livro meu que está no prelo, percebo que à humanidade parece ter sido concedido alguns benefícios que não a torna nem melhor e nem pior, mas sim diferente das demais espécies, porém esses benefícios parecem terem sido codificados de forma secreta e inviolável. A própria vida se constitui no maior dos segredos e por mais que possamos compreendê-la e aperfeiçoá-la, talvez jamais ela se revele completamente em seu princípio ou fim: de onde viemos e para onde vamos? Não sei se chegaremos a alguma resposta. Por enquanto o que me parece fazer algum sentido são as dúvidas, questões da caminhada. Vamos continuar especulando!!!

    • Caro Paul, Parabéns pelo livro. Fique à vontade para dizer o nome do livro e quando ele será lançado. São poucos os leitores deste blog, mas são todos de qualidade. Gostei do seu comentário. Um grande abraço. Caco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s