Afinal, ETs são mocinhos ou bandidos?

         No blog 13.7, do qual já falei aqui, este tema está sendo debatido por vários bloguistas e, por esta razão, eu volto a insistir nele. Desculpem-me os que não gostam deste assunto. As pessoas que já pensaram num encontro com seres de outro planeta têm expectativas diferentes sobre o que iria acontecer; uns devem sentir receio, e até medo, do encontro, enquanto outros vêem nele uma epifania. Afinal, há razões para temer um encontro com ETs?

         Os bloguistas do 13.7 estão divididos quanto a isto. O astrofísico Adam Frank (leia o texto aqui) parece defender a idéia de que devemos temê-los quando questiona se devemos enviar sinais ao espaço que possam revelar a nossa existência a outros seres inteligentes. Ele cita em seu artigo as palavras de Stephen Hawking: “Se alienígenas algum dia nos visitarem, eu penso que o resultado seria o mesmo que quando Cristóvão Colombo chegou à América, o que não foi muito bom para os nativos americanos”. Ele reforça a sua preocupação ao mencionar a idéia de escritores de ficção científica (e também de cientistas, como já mencionado aqui) segundo a qual os possíveis visitantes da Terra seriam máquinas e não seres vivos, com missões bem definidas de dominar o território visitado. Entretanto, o próprio Adam Frank (leia seu outro texto aqui) menciona um artigo do cientista russo Alexander Zaitsev que mostra ser irrelevante a preocupação com o envio de sinais à procura de vida inteligente em outras galáxias. A razão é que os sinais emitidos pela nossa atividade rotineira de radioastronomia têm probabilidade um milhão de vezes maior de serem detectados por alienígenas. E essa atividade não pode ser abandonada.

         O físico Marcelo Gleiser é otimista nesta questão (leia seu texto aqui). Ele discorda do que considera ser um pensamento corrente, segundo o qual “onde houver vida haverá sempre o instinto assassino”. Ele entende que os alienígenas – supostamente seres com inteligência superior à nossa – terão atingido um nível de evolução capaz de controlar o instinto assassino que os teria levado a sobreviver na luta pela preservação da espécie. Segundo ele, é bem possível que um encontro de espécies inteligentes possa acontecer sem que uma aniquile a outra.

         A bióloga Ursula Goodenough não trata diretamente da questão do encontro com seres extraterrestres inteligentes. Entretanto seus comentários sobre o texto do Marcelo Gleiser (leia aqui) a colocam numa perspectiva otimista frente à questão. Em primeiro lugar, como estudiosa de diversas espécies de animais, ela contesta a existência generalizada de um instinto assassino. Ele não existe em várias espécies de primatas e é questionável se ele é uma característica humana (no mínimo, não está presente entre as mulheres). Em segundo lugar, mesmo que ele esteja presente no homem, não será a evolução biológica que irá extingui-lo, mas sim a evolução cultural. Uma evolução que fará aflorar uma característica enraizada em nós: a compaixão. Não há dúvidas que ela não temeria por um encontro com alienígenas!

         E então? Como ficamos? Parece que não saberemos a resposta enquanto não nos depararmos com eles. Já dei uma opinião sobre este assunto quando escrevi “Guerra dos mundos” cujo título é auto-explicativo. Todavia, a conclusão tirada naquele texto foi baseada na história da evolução de nossa espécie, isto é, olhando para trás. Olhando para frente, como o fizeram Marcelo e Ursula, talvez a história possa ser diferente. Tudo se resume em saber se a vida inteligente evoluirá no sentido exato da palavra.

Anúncios

Um comentário sobre “Afinal, ETs são mocinhos ou bandidos?

  1. Eu tenho medo de ETs!
    Espero não encontar com nenhuma criatura dessas enquanto eu viver. Já basta ter que conviver com as pessoas esquisitas daqui…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s